22.10.08

A ave

eu sei
eu sempre soube
da fragilidade
frugal
e oscilante
do vôo
de um seu
abraço
.
eu sei
eu sempre soube
da sua textura vibrátil
longelineamente fugaz
e estonteante
.
mas eu nunca soube
até então
do seu corpo
a densidade
o frêmito
quase pássaro
entre minhas asas
.
tímida pluma
quebradiço silêncio
gravetos
.
eu sei
eu sempre soube
seus olhos me diziam
seu sorriso
seu perfil
sua grave
elegância
de ave
prestes a
partir
me diziam
.
e se
no espaço pássaro
do abraço
eu te deixo ir
é porque sei
como voas
lindamente
e suave pousa
de novo e de novo em mim
sua vertigem
de delicada ossatura
.
eu sei
eu sempre soube
quando tudo
é muito agora
já é
muito longe
.
e flutua

7 comentários:

Andy disse...

Caem pesadamente no asfalto duro
E frio
Folhas colorindo inadvertidamente
O branco
Que inevitavelmente longo e glacial
Chegará aqui.

Sim, Rebequinha...ontem nevou.

JuLe disse...

Inscrições prorrogadas do Prêmio de Literatura Universidade FUMEC

A Universidade FUMEC prorrogou o prazo de inscrições da primeira edição do Prêmio de Literatura Universidade FUMEC, para o dia 04 de novembro. O concurso tem o objetivo de incentivar a leitura e a produção literária no país, prestigiando obras inéditas e estimulando estudantes de todo o Brasil a investirem na carreira literária. O gênero escolhido para o lançamento do prêmio é o conto, forma narrativa em prosa de menor extensão. Podem participar alunos regularmente matriculados em escolas de ensino médio e superior de todo o país. As inscrições para o prêmio são gratuitas e devem ser feitas exclusivamente via postal, por sedex ou carta registrada, com aviso de recebimento. O candidato deve enviar seu conto para a Reitoria da Universidade FUMEC (Av. Afonso Pena, 3880, 4º andar, Cruzeiro/ CEP 30130-009) juntamente com a ficha de inscrição, que pode ser acessada no site www.fumec.br. O regulamento também pode ser consultado no endereço eletrônico.

Informações para a imprensa:
Press Comunicação Empresarial (31) 3245-3778
Letícia Espíndola – leticia@presscomunicacao.com.br

Rebecca P. disse...

Dedé, vc não existe!
Agora poeta!!!
Amei!

Michelle Silva disse...

Hei de te encontrar ainda aqui
Verei o brilho do fogo
A chama acenderá
Hei de te encontrar
EU SINTO...


Acredite nisso amiga, o mundo da voltas, e a AVE...A AVE, sempre voltará.

paulo andré disse...

"Vai andorinha preta,
de asa arrepiada..."

esdras/AURÉLIO disse...

seu texto me faz recordar rubem alves e seu pássaro, que diz que é na saudade que ele fica encantado.
vôos rasos...
qualquer hora dessa passa no meu café... tá novo ainda. ta ganhand consistência, rs
xicaradecafepreto.blogspot.com


ah propósito, o link desse blog ta la! espero que nao se importe.

Rebecca P. disse...

Michele, espero que ela volte... mas partiu pra tão longe...
:(

Paulo, vc acertou bem, adoro andorinhas... são as mais bonitas... e tão altivas...

Esdras, adorei essa frase... motivos quase óbvios... rsrsrsrs!