Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2011

Cordéis avulsos

Vida e literatura são piedosamente imprecisas.
O vazio razoável. Necessário. Para o salto.
Nunca absoluto. Mas evidente.
A literatura encena o que a vida exige.
Às vezes fome. Às vezes, consistência.
Tudo é sobreposição. Avesso. Incontinência.
O rosto exacerbado. Nem grandiloquente nem suntuoso. Apenas colocado.
Visto para ser revisitado.
Do argumento da sede: a redundância é sempre bem vinda.
A forma em seu tempo.
Talvez formalize uma fértil ampliação de fronteiras.
Talvez.



Um dia desses...

Um dia desses eu conto. O que vem acontecendo. O que anda pegando. Como ando e persisto e calo e me mudo. Como mudo. Como emudeço. Como permaneço ou persigo o que não mereço. Conto como me faço e como me esqueço. Um dia desses eu conto. Como reconheço.
Conto também como é grande a fome. E grande o tropeço. Conto se vivi, se sofri, se entrei de férias, se perdi a conta. Se a dividi ou deixei pra lá. Conto e desconto as dívidas. As falências. Conto como me multiplico. Como sangro. Como divago.
Conto como venho falindo, falhando, encantando. Conto como venho perseguindo o que nem sei o tamanho. Conto logo logo. Logo me abro. Logo me afogo.
Um dia desses. Quem sabe. Conto talvez o milagre.
Mas por enquanto. Sei lá. Vou contando a passagem.