Pular para o conteúdo principal

Não verás país nenhum



Ando por esses dias como há muito tempo não andava. Estou “inquieta, áspera e desesperançada”, como dizia Clarice. “Embora amor dentro de mim eu tenha”. Choro pelos cantos, tento ler coisas leves, mas a noite vem, como um dia veio, e parece que não consegue sair. Choro por um país, por coisas que ainda não aconteceram, mas certamente acontecerão. Choro por sombras bizarras que se instalaram nos espaços de poder e de lá só sairão se as pessoas acordarem. Mas ninguém parece disposto a isso. Todos dormem, embalados por delírios tragicômicos de personagens que, horror nosso, são infelizmente reais. Reais demais. O mundo está real demais. Ou, pelo menos, real demais pra mim.

A carga é a mesma de sempre, eu sei: sobra estupidez, ignorância e violência. Só que agora tudo isso não vem embalado na velha roupagem de sempre, de falsa tolerância, mentiras suportáveis e uma certa hipocrisia. Não há mais máscaras, não há mais camadas vagamente civilizadas de retórica ou de auto-controle. A imbecilidade está à solta. Despudoradamente livre.

O pão sempre foi caro e a liberdade pequena, mas enquanto houvesse circo, parecia estar tudo bem. Agora um circo de horrores ocupou todos os espaços, inclusive o da liberdade e o do pão. Alimentamo-nos de patetas que entopem os canais de comunicação com suas verborragias obtusas e perigosas. Ora, elas sempre existiram, sabemos disso, mas me parece que agora deixaram de ser cínicas ou perversas ou irônicas para serem simplesmente estúpidas. E cada vez mais violentas.

A banalidade do mal está, querida Hannah Arendt, mais banal do que nunca, mais odiosa, mais escancarada. “Coisa que não acaba no mundo é gente besta e pau seco”, já dizia Manoel de Barros, mas ando com a sensação de que eles dominaram a cena inteira, o cenário todo. A ignorância orgulhosa de si mesma, a falta de empatia, a crueldade e a cobiça estão secando tudo, ocupando tudo, retirando toda a umidade do mundo, toda a doçura, todo o encanto, toda a delicadeza, toda a empatia, toda a poesia.

No fundo, sei que não precisamos de ministérios ou de leis para continuar a fazer arte, poemas, música, cinema. Sei que a mordaça nas escolas não calará os professores e muito menos os alunos. Mas o excesso de muros me entristece, por mais que eu saiba que as pontes continuarão, apesar de tudo. Continuarão, certamente, enquanto houver vida. Mas até mesmo essa vida está ameaçada, como se pode adivinhar a partir das novas políticas ambientais. Que espécie de vida nos espera para além do fim da Floresta Amazônica? Ah, meu caro Ignácio de Loyola Brandão, nunca me vi tão próxima de seu "país nenhum". 

Essa mistura patética de Fahrenheit 451, Handmaid´s Tale, 1984, Black Mirror e Turma do Didi assusta, constrange e desampara, mas, por outro lado, confesso que nunca fiquei tão feliz e aliviada por não ter transmitido a ninguém o legado da nossa miséria.

Filhos que não tive, folgo por vocês não serem obrigados a conhecer o futuro distópico que ora se projeta. E se aplaude.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Respondo sempre igual...

É difícil dizer como começam as coisas que nunca começaram, que sempre estiveram lá. Ou aqui, por exemplo. Como aquele modo seu de dizer que gosta de mim, como as roupas secando no varal, como os lugares de cada coisa nas estantes, nas gavetas, nos armários. Há coisas que parecem tão eternas no fim de uma noite de verão quanto um lapso entre um espanto e outro, entre um grito e um plano de viagem. No verão, tudo parece mais estático, até eu mesma, que prossigo entre os cômodos me fingindo de suave, de esplêndida, cantando baixinho ou repetindo que estou viva. Apesar do calor, e das ondas de tédio e asfalto que vêm de fora, estou viva, por enquanto.

É difícil dizer como começou isso, ficar viva. Sentir-se dentro e fora das coisas. Sentir-se apenas. Como as colheres no escorredor, como as paredes que escurecem aos poucos, como os livros cruamente organizados e sólidos. É difícil dizer do tempo em um dia tão quente e áspero. É difícil porque sufoca sem sofrimento. É como esperar, apenas…

Sobre mulheres, homens e pessoas.

Uma mulher não nasce mulher. Torna-se. Isso disse Simone de Beauvoir. Isso vale também para os homens. Isso vale para as pessoas. Uma pessoa não nasce pessoa. Torna-se. Isso sabia Clarice Lispector, que dizia que “o máximo que se pode dizer de alguém” é que esse alguém é uma pessoa. Isso sabia Guimarães Rosa, que dizia que “as pessoas não estão nunca iguais, afinam e desafinam”. Uma mulher torna-se uma mulher e uma pessoa quando descobre sua própria desmedida. Maior que muitas. Menor que outras. Um homem também. Um homem torna-se homem e pessoa quando aprende seu próprio tamanho. Maior que alguns. Menor que outros. Uma mulher também. Um homem torna-se homem e pessoa quando aprende que erra. E que o erro é uma forma de encontrar. Uma mulher também. Uma mulher torna-se uma mulher e uma pessoa quando aprende a ter um rosto e uma fome. E que esse rosto e essa fome nem sempre podem ser mostrados ou compreendidos. Um homem também. Uma mulher torna-se uma pessoa quando precisa partir para al…