5.1.09

De águas e vôos

Chove muito. Há muitos dias.

E em quase todos eles, você esteve longe.

Não posso te explicar quanto senti sua falta. Todos esses dias. Torrentes de água escoando, o muro liquefeito das esquinas, árvores ensopadas, pássaros escondidos, meus cabelos escorrendo, se desmanchando, o mundo inteiro se dissolvendo, os carros boiando sôfregos na tempestade, a noite submersa em rios, úmidas vertentes.

Chove muito. Há muitos dias. E em quase todos eles, você esteve muito perto.

Não posso explicar sua presença em mim, dissonante. Algo de água. Sempre fugindo. Dissolvida. Em todas as esquinas. Encharcando os sapatos, abrindo as sombrinhas, refrescando os beirais e amolecendo os telhados. Sua presença. Em mim. Na chuva. Liquefeita, esboroante, fúlgida. Tímida. O mundo inteiro encolhendo. Só sua ausência existindo. Meu coração boiando sôfrego na tempestade, contra o céu da meia-noite, te encontrando. A noite submersa em sangue, meu corpo todo pulsando, úmidas vertentes.

Agora continua chovendo. Mas você voltou.

E no conforto tão longo do seu abraço, me senti flutuar de novo na amplitude aérea do céu.

Não posso explicar o que senti, o que sinto ainda agora, o que invento. O céu ficando de novo claro, iluminado azul e mais leve. As árvores sacudindo as cabeleiras, gotas pendentes brilhando, sua elegância renovadamente limpa. As ruas emplumadas ao sol, exibindo cores novas e mais frescas. Janelas de repente abertas. Luz invadindo. Crescendo. O mundo inteiro de novo. Secando suas roupas ao sol. Flores, presságios, bicicletas. Cabelos ao vento. Andorinhas.

Eu com elas voando. Leve pássaro aceso.

10 comentários:

paulo andré disse...

2009 ao seu lado, sempre...
na alegria e na tristeza....
querida Rebequinha...

GÖTZ jóias disse...

Se conseguirmos entender que sempre haverá bons e maus, poderemos gradualmente não esperar somente bons momentos, e nem a detestar os maus...Parabéns pelo texto!!!Adorei....

Tainah disse...

Que beleza deve ser o abraço nessa chuva mineira...
beijão Becca!

Priscila disse...

Amei seu blog! :)
Você escreve muito bem, com muito sentimento.
Também tenho um blog mas conto mais sobre a minha vida mesmo.
Parabéns, menina!

Beijos

Rebecca P. disse...

Paulo... querido, querido, querido!!!

E Cris, obrigada!! Adorei te ver aqui nos commentes... ; )

Tainah, sua presença aqui é que é aragem de brisa boa... vinda do norte pra embelezar nossas montanhas aqui... sua delicadeza...

Priscila, obrigada pelo elogio... volte sempre. Eu também falo muito de mim... mas às vezes esse falar é se desconhecer... ; )

Denise disse...

Sim, toda chuva traz uma certa saudade... Por que será? A saudade tem gosto de mofo.

Anônimo disse...

Eu detesto chuva. Melancolia em forma de gotas e muito sofrimento em forma de gente. O verao tambem me deprime. Fico meio irritado com tudo. E pensar que no Polo Norte esta fazendo 35 negativos e que em Toronto esta 40 negativos! Que inversao de valores. Natureza estupida. Aqui em Guelph esta menos 31 desde ontem. Esse extremo tambem me irrita por me aprisionar em camadas de casacos como se eu fosse um paozinho de massa folhada com o corpo amanteigado em locao hidratante Jergens. Da janela de meu office brotam icicles gigantes que me colocam numa cela de gelo. Mas e gostoso andar na neve em dia claro. O chao fica crocante com se estivessemos pisando em mil bolachas cream cracker. Imagine caminhar sobre a areia molhada de praia a 31 negativos. Exige forca nas pernas, os olhos comecam a arder, a pele resseca e as orelhas e os dedos adormecem. E eu preciso de voce, do calor que pulsa em suas veias e palavras. Mas voce esta tao longe...mergulhada em agua liquida. Eu ando sobre as aguas...em estado solido. E a neve Rebecca...tem um silencio insuportavel. A natureza estatica onde nem mesmo o eco de um grito consegue reverberar. Gritei quando cai a primeira vez. Quebrei a alca da bolsa e a pasta contendo copias xerox. Fiquei com preguica de me levantar. O ceu tao estrelado, a lua tao grande e nuvens voando tao baixo que eu quase pude toca-las. E lembrei-me de voce por causa das nuvens. Agua em estado gasoso que so sabe chover. Amo voce! E odeio chuva! Andre...temporariamente canadense.

Rebecca P. disse...

Denise, eu adoro chuva... sou quase uma náiade... e saudades... bem, eu sou a pessoa mais saudosa que eu conheço... vivo com saudades, às vezes nem sabendo direito de que...

E André, meu querido pãozinho folhado... que saudades de vc!!! Tenho certeza de que vc vai voltar mais brasileiro do que todos nós juntos! Beijos de céu azul pra vc! Obrigada pelas nuvens canadenses! Eu adoro nuvens. E adoro você.

Mayra disse...

Nossaa que lindo realmente nestas palavras eu senti muito sentimento,Abençoada a pessoa que possui a dádiva de expressar os sentimentos de forma tão bela.Parabéns!!!

Rebecca P. disse...

Obrigada, Mayra!