17.8.09

Periférica sintaxe

Sim, há períodos marcados por um extremoso silêncio. E há ainda aqueles que, de tão lunares e pedregosos, acordam em nós vontades sem demência. Ágeis, espessas, sulfurosas. Inebriantes.

Há períodos longos, longamente adjetivados, feitos de informes solfejos, de começos descalços, de vulgares tentativas de entender a morte. Ou o amor.

Há períodos que são inglórios, e outros que são menores. Tanto assim.

Há períodos golpeados pela sorte. Levianos, maldosos, violentos. Quase malditos.

Entre uns e outros, fremem as almas.

Compactas, taciturnas, docemente contidas.

Entre dois pontos.

De um intervalo.

Um comentário: