Pular para o conteúdo principal

Uma vez...

Ilustração: Anna Cunha

Uma vez, sonhei: uma bicicleta feita de acasos, de terra, de pedaços de coisas, de sinopses.

O sonho era cheio de vertigens, de bicicletas, evidentemente, de modos de colher água da chuva, de fazer as pessoas voarem, de cobrir a terra de um modo abrupto, de coisas assim esquisitas e impronunciáveis.

Quando acordei, anotei tudo num papel. Depois o perdi.

Hoje achei o papel, e não entendi nada. Na lembrança, uma vaga ideia. Uma concreta palavra: bicicletas. Só lembro, de forma absurda e profunda, que havia bicicletas.

Aliás, sonho muito com elas. É a única coisa, afinal, que sei dirigir. Mas sonho com carros também. E não sei dirigir carros.

Essa coisa do interior e do exterior. Uma bagunça.

Alguns objetos podem ser sujeitos. Isso se sabe.

Objetujeitos. Algo assim.

Mas, no meio da ideia, algo surge, se fragmenta, se isola. Como numa experiência científica ou amorosa.

Como num convite pra tomar um chá, ou participar de uma festa. Algo se nutre e se consola do abismo que somos. Algo fica enfim inventariado. Objetificado. Impossível.

Algo fica, ou volta, ou vai embora pra sempre. Aliás, o que mais acontece é coisas irem embora pra sempre. Triste isso, não?

Faço coleções de coleções. Isso me alivia um pouco. Como toda coleção é incompleta, as minhas já começam pelo fim. Ficam incomeçadas. Um único objeto faz uma coleção? Eu acho que sim.

Então, posso fazer uma coleção de objetos que são duplos: como escova e pasta. Ou triplos, como colher, faca e garfo.

Essa coisa do insondável e do concreto. Algumas coisas se juntam, outras não. É assim.

Os objetos são pontos de passagem.

Como essa bicicleta aí do sonho. Uma vertigem.

Não é?

Pois então.

Comentários

Vanusa disse…
Minha linda, minha poeta, meu orgulho. Lindo seu objetexto.

Postagens mais visitadas deste blog

Fazendo o balanço...

Em 2007, eu... Fiz novos amigos. Fiz o que pude pra guardar um tempinho para os velhos amigos, tão queridos... mas nem sempre consegui. Trabalhei bastante, mas sonhei ainda mais... Talvez demais. Tive pesadelos, mas acordei com alguém do meu lado... Senti muita falta da minha mãe. E mais ainda do meu pai. Falei a verdade. E me arrependi. Às vezes menti... Redescobri a Edith Piaf... e aprendi mais sobre arrependimentos. Tive muito medo, mas me socorreram a tempo... Saí da natação (mas pretendo voltar, juro!)... E engordei um pouco (eufemismos sempre são úteis). Vi dezenas (ou seriam centenas?) de filmes ótimos... E outros nem tanto... Vi duas peças magníficas! Rubros ... e Atrás dos Olhos das Meninas Sérias (se elas aparecerem em cartaz, corram pra lá!). Perdi a paciência... inúmeras vezes... Chorei de desespero... Mas me acalmei depois. Chorei de alegria - algumas vezes. Descobri o maravilhoso mundo encantado dos blogs... Descobri que toda vez que eu descubro algo novo, eu fico deslu

Números nem tão imaginários...

Eu tenho 141 cm. Conquistados com esforço, sim senhor. Para alguns, não é exatamente fácil crescer. Já fiz 2 cirurgias, 4.327 miojos, 3 lasanhas, 567 pizzas, 2 monografias, 1 dissertação, 1 tese, 84 sessões de psicoterapia e muita pirraça. Tenho 731 livros, 1 prótese cardíaca, 3 projetos novos, 7 primos e 21 plantinhas de estimação. Já morei em 6 casas diferentes fora de bh e em 9 casas dentro. Já matei 425 baratas, 1.329 formigas (quase sempre sem querer) e 1 aranha (afogada). Perdi 2 boas chances de ter começado a ser eu mesma bem mais cedo. Perdi as estribeiras umas 3 vezes. A compostura, 211 . Fui "diretora" de 3 peças de teatro, entre os 10 e os 15 anos. Atuei como "noiva" em 4 festas juninas e como "menina que morre na hora da bomba" em 1 peça de teatro do colégio. Já tive 14.322 idéias. A maioria não teve utilidade alguma. Perdi a hora 13 vezes. E sem desculpa. Ganhei 135.368 beijos, 6 fios de cabelos brancos e 4 quilos &qu

Das ofensas nada gratuitas...

Uma das muitas formas de se criticar uma mulher é afastá-la, com maior ou menor sutileza, de tudo o que é considerado como “parte” do universo feminino – delicadeza, beleza, suavidade, elegância, candura, flexibilidade. Notem que usei apenas adjetivos “positivos”, mas ninguém desconhece o que eles representam: se é delicado, não consegue brigar; se é suave e cândido, é fácil de manipular; se é flexível, pode ser perigoso; se é belo, pode desviar a atenção de coisas mais “importantes” ou úteis, geralmente ligadas à racionalidade (posto que a beleza seria da ordem da emoção, da sensibilidade, geralmente relegadas ao plano do superficial, ou do supérfluo). São positivos, mas são negativos também. Para ofender uma mulher, costuma-se tirar dela sua “feminilidade”, chamá-la de “menos mulher”, ou de “mulher pior”, roubar dela tudo que a ela deveria se ajustar como “essência feminina”, dizer a ela, enfim, que ela falhou como fêmea. Em outras palavras, chamá-la de macho. O interessante jogo sim